Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Luís Virtual

Luís Virtual

25 de Maio, 2015

Aprendendo e relembrando...(dicas de portugues)

Luís Martins

Nada a ver ou nada haver?

Nada a ver é a forma correta de escrita desta expressão, em se tratando da forma negativa da expressão ter a ver, ou seja, não ter nada a ver ou nada que ver. Devemos utilizar a expressão não ter nada a ver sempre que quisermos referir que algo não está relacionado e não diz respeito a alguma coisa.
É sinônima de: não ter que ver, não ter relação com, não corresponder, não dizer respeito a, não ser do interesse de.

Exemplos:


A letra desta música não tem nada a ver comigo.
Desculpe, mas não tenho nada a ver com seus problemas.
Isso não tem nada a ver com minha ideologia de vida.

Antigamente, a expressão ter a ver era constituída pela preposição que em vez da preposição a, ficando ter que ver. Esta expressão foi se alterando ao longo do tempo com o uso e, possivelmente, com influências francesas. Contudo, o uso da expressão ter que ver faz com que haja menos erros e confusões com o verbo haver.

Exemplos:

Não tenho nada a ver com isso.
Não tenho nada que ver com isso.
Fique sabendo mais:

Existe a expressão não ter nada a haver, forma negativa da expressão ter a haver. Embora com pouco uso, podemos utilizar a expressão não ter nada a haver com significado de não ter nada a receber, nada a reaver, se referindo ao ato de não ter quantias monetárias para serem recebidas.

Exemplos:

Já não tenho nada a haver de meus clientes.
Rafaela não tem nada a haver do dinheiro da herança dos avós.
Atenção!

Na língua portuguesa, é possível que ocorra a sequência nada haver, não sendo uma expressão com significado próprio, mas sim o seguimento do advérbio nada e do verbo haver.

Exemplos:

Por nada haver para fazer, fui embora mais cedo do escritório.
Fiquei triste por ele nada haver dito sobre minha situação.
Nota: A utilização na dupla negativa (não tem nada a ver) está correta e transmite um sentido negativo à frase. É uma característica sintática da língua portuguesa consagrada pelo uso, sendo muito utilizada pelos falantes, principalmente na linguagem oral. Embora contestada por algumas pessoas, que defendem que a dupla negação transmite uma ideia afirmativa, a dupla negação não só mantém o sentido negativo da frase, como o reforça e enfatiza. Sintaticamente, privilegia-se que a negação ocorra antes do verbo, independentemente de ser ou não seguida de um pronome indefinido que a intensifique.